Conecte-se conosco

Notícias

Rita Lee deixou profecia sobre a sua morte em livro: “Levantaria do caixão”

Publicado

em

Rita Lee fez profecia sobre a própria morte (Foto: Reprodução/Internet)
Rita Lee fez profecia sobre a própria morte (Foto: Reprodução/Internet)

Além de cantora, Rita Lee foi uma escritora de sucesso e deixou uma previsão de como seria a sua morte em uma de suas autobiografias

Nesta terça-feira (09), fomos surpreendidos com a triste notícia do falecimento de Rita Lee, a eterna Rainha do Rock, aos 75 anos de idade. Sempre irreverente e com personalidade marcante, Rita foi muito mais do que uma das maiores artistas do Brasil e teve uma trajetória única.

Sua singularidade a transformou em uma figura admirada até mesmo por aqueles que talvez nunca tenham ouvido sua música, embora também tenha atraído sentimentos contrários. Em seu livro “Rita Lee: Uma Autobiografia“, lançado em 2016, a cantora fez uma espécie de profecia sobre como seria o comportamento de todos ao seu redor após sua morte, prevendo atitudes desde os que a detestam até os verdadeiros fãs e a mídia.

Nas 296 páginas de sua autobiografia, Rita Lee compartilha sua visão de vida desde o início de sua carreira musical, passando pela infância, os primeiros passos na vida artística, prisão, o relacionamento com Roberto de Carvalho e até sua idade mais avançada, imaginando os minutos após sua morte. Ao final do livro, ela descreve como estaria após sua morte: “Eu de alma presente no céu tocando minha autoharp e cantando para Deus: ‘Thank You Lord. Finally Sedated'”.

Na página 266 da obra, Rita imaginou que rádios tocariam suas músicas sem cobrar jabá, colegas diriam que ela faria falta no mundo da música e talvez até dessem seu nome a uma rua sem saída.

Ela também escreveu que os fãs sinceros empunhariam capas de seus discos e cantariam “Ovelha Negra”. De fato, diversas pessoas publicaram trechos dessa música nas redes sociais desde que sua morte foi anunciada.

Sobre as redes, Rita previu que alguns diriam: “ué, pensei que a véia já tivesse morrido, kkk”. No entanto, muitas pessoas lamentaram sua morte, fazendo com que seu nome figurasse entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Diagnosticada com câncer de pulmão em 2021, Rita Lee vinha realizando tratamentos contra a doença. A cantora, compositora e instrumentista marcou a história da música brasileira e deixou um legado que vai além de suas criações artísticas, influenciando gerações e desafiando padrões.

Seu velório, aberto ao público, será realizado no Planetário do Parque Ibirapuera, na quarta-feira (10), das 10h às 17h.

Leia na íntegra a ‘profecia’ de Rita Lee

Rita Lee (Foto: Reprodução/Instagram)
Rita Lee (Foto: Reprodução/Instagram)

“Quando eu morrer, posso imaginar as palavras de carinho de quem me detesta. Algumas rádios tocarão minhas músicas sem cobrar jabá, colegas dirão que farei falta no mundo da música, quem sabe até deem meu nome para uma rua sem saída.

Os fãs, esses sinceros, empunharão capas dos meus discos e entoarão ‘Ovelha Negra’, as TVs já devem ter na manga um resumo da minha trajetória para exibir no telejornal do dia e uma notinha no obituário de algumas revistas há de sair.

Nas redes sociais, alguns dirão: ‘Ué, pensei que a véia já tivesse morrido, kkk’. Nenhum político se atreverá a comparecer ao meu velório, uma vez que nunca compareci ao palanque de nenhum deles e me levantaria do caixão para vaiá-los.

Enquanto isso, estarei eu de alma presente no céu tocando minha autoharp e cantando para Deus: ‘Thank you Lord, finally sedated’.

Epitáfio: Ela nunca foi um bom exemplo, mas era gente boa.”