Conecte-se conosco

Notícias

Andy Anderson, ex-The Cure, morre aos 68 Anos

Publicado

em

Perdemos uma lenda: Andy Anderson, ex-The Cure, morre aos 68 Anos (Foto: Reprodução Instagram)
Perdemos uma lenda: Andy Anderson, ex-The Cure, morre aos 68 Anos (Foto: Reprodução Instagram)

O baterista icônico e muito amado, Andy Anderson, do The Cure que lutou contra um câncer terminal, se despede, deixando um legado musical incontestável

Andy Anderson, notório ex-baterista da banda britânica The Cure, faleceu aos 68 anos, conforme revelou o site NME. Anderson, que revelou estar lutando contra um câncer terminal no dia 17 de fevereiro, teve sua morte lamentada por fãs e colegas da indústria musical.

Anderson fez parte do The Cure em um período marcante da banda, entre 1983 e 1984. Ele assumiu a bateria depois que Lol Tolhurst, membro original da banda, decidiu se concentrar no teclado. Anderson participou da gravação do quinto disco da banda, “The Top”, onde contribuiu com sua maestria nas baquetas em singles emblemáticos como “Love Cats” e “The Caterpillar”. Ele também deixou sua marca no álbum ao vivo “Concert: The Cure Live”.

Antes de integrar o The Cure, Anderson já havia colaborado com Robert Smith, vocalista da banda, em seu projeto paralelo, The Glove. Nessa parceria, Anderson participou no álbum “Blue Sunshine”. Após sua passagem pelo The Cure, Anderson continuou deixando sua marca na música, trabalhando com diversos artistas proeminentes, entre eles, Iggy Pop.

A triste notícia da morte de Anderson foi divulgada por amigos próximos através das redes sociais. Tolhurst expressou seu pesar, declarando: “É com um coração pesado que eu tenho que reportar a morte de um irmão de Cure”. Ele prosseguiu homenageando Anderson como um “verdadeiro cavalheiro e um grande músico com um afiado senso de humor, mantido até o fim, um testamento a seu lindo espírito na última jornada. Nós somos abençoados de tê-lo conhecido”.

Anderson também compartilhou publicamente sobre sua luta contra o câncer. Em um post no Facebook, ele escreveu: “Tenho câncer terminal no estágio 4, e não há forma de voltar disso, está cobrindo totalmente a parte de dentro do meu corpo, e eu estou completamente bem. Ciente da minha situação eu pedi para não me ressuscitarem”.

A vida de Anderson foi marcada por sua contribuição incalculável para a música. Ele deixa um legado musical que continuará a influenciar e inspirar gerações futuras.